Nutrição e Lifestyle

Como virar vegano

Eu amadureci a ideia de me tornar vegetariana por muito tempo. Quando era criança, mastigava a carne até ela virar uma massa nojenta e sem gosto e cuspia fora. Nunca fui muito fã. Já brócolis, sempre foi meu favorito. Queijo e leite também não eram protagonistas, talvez pela influência oriental na minha alimentação. Meu maior ponto fraco foi o peixe, o famoso sashimi de todo domingo com a família. Eu precisei de um empurrãozinho, uma motivação real, pra fazer essa mudança. E um belo dia, depois de assistir Cowspiracy, fui de onívora para vegana. Nem sequer peguei o atalho do vegetarianismo, virei a chavinha do dia pra noite.

Pra mim, mudanças sempre aconteceram de forma brusca e extrema. Isso só acontece porque eu sou extremamente disciplinada, consigo seguir regras metodicamente. Claro que não é assim pra todo mundo. A maioria das pessoas sofre com mudanças e precisa ir mais devagar, fazendo a transição de forma gradual. Independente do seu ritmo, transformações como essa são possíveis.

Na minha opinião, veganismo é um estilo de vida e não uma dieta, por isso existem alguns pré-requisitos para esta mudança. Se você não der um check em todos itens desta lista, talvez você precise de um pouco mais de tempo para amadurecer a ideia.

 

O que você precisa ter em mente antes de virar vegano

  • Entender o que é veganismo

    O veganismo não é só uma dieta. É um conjunto de valores que permeia várias áreas da vida, inclusive a alimentar. Se você não se preocupa tanto com as questões políticas e sociais, talvez seja melhor optar pelo vegetarianismo.

  • Estar aberto a mudanças

    Um pouco óbvio. Virar vegano significa mudar a forma como você se alimenta, consome e pensa. Muitas mudanças irão acontecer e você tem que estar disposto a abraça-las.

  • Estar aberto a experimentar coisas novas

    Com mudanças vem novos desafios. Você terá que experimentar novas comidas, novos materiais no vestuário, novas marcas.

  • Ter vontade de aprender a cozinhar

    Não é obrigatório saber cozinhar, mas é muito mais difícil ser vegano sem a possibilidade de preparar seu próprio alimento.

  • Estar disposto a abrir mão de luxos de consumo

    Sapatos da Dior, tênis da Nike, jantar na churrascaria. Você tem que estar disposto a abrir mão disso tudo. Muitos destes consumos são sinônimos de status, por isso esteja preparado a se desfazer desta relação.

  • Estar aberto a ter uma vida mais simples

    Se o consumo não é mais sinônimo de status para você, quer dizer que você está livre para ter uma vida mais simples. Comprar do pequeno produtor, cozinhar seu próprio jantar, consumir apenas o que você realmente precisa.

Se você é essa pessoa, ótimo. Se não, ainda existem esperanças. Muitas vezes vamos nos adaptando à medida que fazemos a transição. Pra mim, o mais importante no processo de virar vegano é o primeiro item da lista a seguir. Não citei nada sobre como parar de comer produtos de origem animal pois acho que isso é uma escolha pessoal: você pode ir parando aos poucos ou de uma vez. Este é, de forma bem generalista, o passo a passo para sua transição.

 

Como virar vegano

1. Tenha motivos para virar vegano

Não é fácil mudar seu hábitos alimentares e de consumo por isso você precisa de um motivo real para faze-lo. Se sua motivação é emagrecer, por exemplo, dificilmente o veganismo vai durar pra sempre. O motivo da sua escolha tem que ser algo no qual você realmente acredita e que vai se sustentar por um longo período. As motivações mais comuns são:

  • Proteger e colaborar com o meio ambiente

  • Salvar animais de abatedouros e más condições de vida

  • Melhorar sua saúde e qualidade de vida

  • Financiar boas práticas e/ou boicotar grandes organizações

  • Melhorar sua relação com o consumo

  • Economizar dinheiro

 

 

2. Informe-se e tome decisões

O sapato que você usa é de couro? O desodorante que você usa é testado em animais? Sua calça favorita é de uma marca que usa trabalho escravo? Informe-se sobre estas questões e tome decisões a respeito. Você pode vender todos seus itens de couro e comprar novos em versões sintéticas, como fiz com meus sapatos e bolsas, ou manter um item porque vai durar sua vida inteira. As opiniões sobre isso são diversas e você pode ter a sua própria. Eu particularmente vou contra a opinião de muitos veganos radicais. Tenho uma perspectiva própria sobre vários assuntos que alguns podem considerar contraditória ou até errada. Mesmo assim me considero vegana. O mais importante é se informar e tomar decisões. Se elas são as melhores ou não, só você pode dizer.

3. Seja paciente consigo mesmo

Uma mudança dessas não é fácil e pode levar um tempo. Se você realmente quer virar vegano, mesmo com desejos incontroláveis por queijo, acredite em si mesmo. Não se sinta culpado com uma escorregada ou outra. Respeite seu próprio ritmo – uns conseguem cortar tudo do dia pra noite como eu, outros precisam de uma transição mais lenta e gradual. Tenha disciplina e apoie-se em sua motivação.

4. Descubra o mundo de possibilidades que a natureza te oferece

Antes de pensar em tudo que você vai ter que eliminar da sua vida, pense em tudo que você vai poder adicionar. Virar vegano significa explorar todos ingredientes que a natureza nos oferece e aprender a prepara-los de diferentes formas. Nunca comeu broto de feijão? Não faz ideia do que fazer com uma abóbora? Jamais pensou em comer abacate? Essa é a hora de experimentar. Faça compras em feiras ou hortifrutis onde as opções são mais variadas. Coma verduras, legumes, grãos, frutas. Seja curioso e descubra novos alimentos.

5. Busque inspiração e aprenda a cozinhar

Um erro que muita gente comete é querer um substituto equivalente para todo alimento animal. Arroz, feijão e bife de quê? Pão francês com o quê? Churrasco com carne de quê? Claro que essa forma de pensar é sim uma opção, mas ela é muito viciada na forma onívora e brasileira de se alimentar. Você não precisa comer arroz e feijão todo dia. Seu café da manhã não precisa ter pão. Churrasco não precisa ter carne. No almoço, você pode comer um prato de legumes, grãos e cogumelos. No café da manhã, você pode comer pudim de chia com frutas. No churrasco, você pode grelhar vegetais e tofu. Busque receitas que te inspirem e te mostrem outras formas de se alimentar. Nessas horas, aprender a cozinhar facilita muito. O The Veganmade tá aqui pra isso 🙂

6. Consulte um nutricionista

Depois que virei vegana, fiz algumas consultas com um nutrólogo para ter certeza que não estava desnutrida ou com carência de vitaminas. O médico me receitou alguns suplementos e logo tudo ficou na medida certa. É importante ter certeza que você não está com nenhuma deficiência de nutrientes, como a famosa Vitamina B12. Uma visita ao nutricionista de vez em quando não fere a ninguém.

7. Tenha consciência dos benefícios da sua escolha

Começar é, digamos, a parte mais fácil. O mais difícil é seguir com o objetivo e não desistir. Pra não mudar de ideia no meio do caminho, você precisa sentir as diferenças. Fique atento às consequências. Você tem se sentido mais leve, mais bem disposto, menos sonolento durante o dia? Você tem menos crises de rinite ou reações alérgicas? Consegue dormir melhor? Seu intestino funciona melhor? Seu colesterol baixou? Emagreceu? Está gastando menos dinheiro com alimentação? Seu impulso por consumismo diminuiu? Você se preocupa mais com os produtos que consome? Pense nisso tudo e tome consciência de que sua escolha está te fazendo bem. Deseje mais disso, mantenha-se motivado a melhorar sua qualidade de vida e colaborar com algo maior.

Lembrando que esta é a minha visão sobre o veganismo e esse passo a passo é baseado na minha experiência. Por isso, se depois disso tudo você não conseguir virar vegano, eu não te julgo nem crucifico. Para mim, o veganismo é uma forma de colocar em prática crenças e opiniões sobre o mundo. Se eu apoio uma iniciativa ou causa, vou investir meu tempo e dinheiro nela. Se uma empresa explora seres humanos com trabalho escravo, não vou consumir seus produtos. Esse mind-set pode estar presente na sua vida mesmo se você come carne e lacticínios. O veganismo é um estilo de vida, uma forma de pensar, e existem muitas formas de incorpora-lo a sua vida. Se cada um fizer uma pequena mudança, juntos faremos uma grande colaboração para o mundo.

Referências:

Papa Capim

Vista-se

Denise Saito

Por 6 anos fui intolerante a glúten e sou vegana desde 2015. Todas minhas receitas são plant-based e sem glúten. Acredito que a nutrição é a forma mais eficiente de transformar nossas vidas.

LEAVE A COMMENT